110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube

Cartaz_conc_mensal_AGOSTO2016

Mais um mês no interior das cadeias, as presas independentistas passam umha jornada completa de jejum em reclamaçom polos seus direitos. Nas ruas, entre as 20h e as 21h da noite concentraremos-nos as pessoas solidárias, para visibilizar as suas reclamaçons elementares.

Os pontos que o Coletivo de Presas Independentistas Galegas reclama som: O reconhecimento da sua condiçom de prisioneiras políticas, o fim da política criminal de dispersom penitenciária, o reagrupamento dos membros do coletivo numha mesma prisom em território galego, o cessamento do regime de reclusom nos centros de menores e a melhora geral das condiçons de vida no encerro.

As convocatórias som:

SEXTA-FEIRA 26 DE AGOSTO

Compostela: 20:30h na praça de Galiza

Burela: 20:30h na praça do Concelho

Ferrol: 20h na praça do Concelho

Vigo: 20h no Marco (rua Principe)

Ourense:20:30h na praça do Ferro

Ponte Areias: 21h diante do Concelho

Lugo: 20:30h na Praça Maior

Achega-te à concentraçom mais próxima!

 

Mártires som aquelas que paalexandrebovedadecem grandes sufrimentos a causa da defesa da sua opiniom ou posiçom. As que nom recuam, as que olham de frente à morte. Quando celebramos a Galiza Mártir estamos a homenagear a Galiza resistente e rebelde. Longe da ladaínha do lugar de submissom em que tantas vezes é colocado o nosso povo, a Galiza Mártir é a Galiza que ante a dor e a infâmia, sabe erguer-se na postura da dignidade.

Deforma-se a curva do sorriso, deformam-se as vértebras, escorrega o sangue. Mas a Galiza mantem-se em pé enquanto lateja o corpo frente ao fascismo.

O 17 de Agosto de há 80 anos matarom a Alexandre Bóveda em Poio. Alexandre pagou com a vida, ele e outros e outras: Galiza é o nome dum povo inteiro. Muitas vidas roubou Espanha: a das esquecidas, as despossuídas, as perseguidas, as rapadas, as violadas. As que nom renunciarom, as que nom colaborarom com o inimigo ainda com a vida em jogo. Nunca aguentar em pé tem tanto valor como quando se olha de frente aos lobos da morte. Estar de pé frente um fuzil e dizer Galiza e manter o olhar. Morrer com a terra entre os dentes.

Temos mártires em fossas comuns ou atiradas dentro de sacos no mar e nos rios, polos cantís, polas corredoiras. Temos mártires estercando pampilhos e dente de leom. Temos mártires fazendo crescer novas geraçons de militantes da liberdade. As nossas mártires estám em pé, gozam de boa saúde e de digna raiva. Mantenhem a olhada clara. Os lobos também estám ainda aí.

Que viva a Galiza Mártir!

 

 
Moncho teria hoje 66 anos, e nom podemos deixar de imaginar-nos as suas maos agarradas às nossas nas cadeias de solidariedade e reivindicaçons que partilhamos. Mas um doze de Agosto de há 41 anos matou-no a polícia. O franquismo, assim como o régime borbónico reconstituido após a morte de Franco, continua a agarrar metralhetas diante das reclamaçons de emancipaçom nacional e social da Galiza. Boa parte de quem hoje conforma o independentismo galego nom nacera quando o matarom, mas todas somos companheiras suas.

Lembramos sem perdom a monchoreboirasEspanha que matou, entre muitas outras vidas de combatentes generosas, a Ramom Reboiras Noia, de 25 anos. Vinte e cinco anos som alguns anos para quem tem que abandonar a aldeia para ir trabalhar à cidade e com quinze já conhece o trabalho na construçom, para quem com dezaoito estuda e trabalha e com vinte milita clandestinamente e sem descanso contra um sistema que nom serve, quem com vinte e três participa nas heroicas greves do outono do 72. E com 25 anos Moncho morreu de pé, sangrando nas ruas de Ferrol rodeado de mercenários. A entrega e valor que espalhou é o das imprescindíveis. As que luitam até a morte, apesar da morte, contra a morte. Por isso Moncho vive.

Denantes mortas que escravas!

 

vernEarte2016A proxima quinta-feira 4 de Agosto a assembleia comarcal de Ceivar em Ourense e um grupo de pessoas e coletivos que também fam parte de EsCuA - Espaço Cultural Aberto organizam umha Jornada pola Liberdade na que visibilizar a vida nas prisons e denunciar o isolamento e torturas físicas e psicológicas que supom a privaçom de liberdade.

Esta atividade enquadra-se no programa do Veranearte 2016, iniciativa que se vem organizando em Ourense nos últimos anos para dinamizar a vida sócio-cultural na cidade de Ourense.

JORNADA POLA LIBERDADE

QUINTA-FEIRA (XOVES) 4 DE AGOSTO:

 

APRESENTAÇOM DO LIVRO “O TEITO É DE PEDRA”

LUGAR: C.S. A GALLEIRA – Praça de Sam Cosme

HORA: 20:30h

O ex-preso independentista Uxio Caamanho apresenta o livro “O teito é de pedra”, resultado de muitos anos de soidade nas celas de isolamentos, de protestos e plantes, de muitos vis-a vis e muitas visitas por locutório, de muito calor no verao e um frio endemonhado no inverno. Está escrito na rua mas com a prisom no rabo do olho: recém abandonada por algunhs, ou a ponto de reingressar nela por outras. Nesse transe, a última fornada de ex-presas e ex-presos independentistas pugérom-se de acordo para tirar em limpo algo coletivo, umha espécie de “manual” que ajude à leitora ou leitor a adentrar-se no mundo carcelário com a imaginaçom, e dessa maneira cometer menos erros quando lhe toque lidar com o caldeiro na vida real. Porque, como já te irás dando conta, a prisom é algo que cada vez se nos torna mais familiar, seja nas nossas carnes (mais de umha dúzia de encarceradas e encarcerados nos últimos tempos, e muitas dezenas de acusadas e acusados em juízos com petiçons fiscais de muitos anos por distúrbios, montagens, solidaridade com presos...) seja porque já som poucas as arredistas que nom tenhem nengum amigo ou conhecido na cadeia.

 

PERFORMANCE: TORTURA BRANCA

COMPANHIA LUMPENS ORGANIZADXS

LUGAR: CAFÉ CULTURAL EL PUEBLO – Rúa Hernán Cortés, 26

HORA: 21:30h

“Tortura Branca” é umha peça de 15 minutos, que se mostra de jeito fragmentado para que o espectador tire as suas próprias conclusons...
A companhia Lumpens Organizadxs apresenta umha obra que pretendem seja um achegamento à vida intramuros, ao cárcere...e sobretodo umha denúncia ao regime FIES, ao isolamento como jeito de tortura oculto e subtil por parte do estado, que mata quem nom se dobrega...tortura que se expande além da primeira pessoa sobre a que se infligir, pois afecta todos os seus vínculos mais achegados...

 

CURTA-DOCUMENTAL: ANTI-MULLERES. EXISTIR MAL

Beatriz Saians

LUGAR: Praza Pena Vixia

HORA: 22:30h

Anti-mulleres. Existir mal” é um documentário autogerido e dirigido por Beatriz Saians que aborda, desde distintas realidades, como afecta às mulheres a cadeia. Juntando as testemunhas numha grande conversa e por meio do diálogo dalgumhas das suas agentes chegamos a entender como é para umha presa, umha filha, ou como é para umha mai, ficar marcada polas reixas.

 

Disponibilizamos a continuaçom o vídeo que a equipa de GalizaContrainfo realizou da IX Cadeia Humana pola Liberdade d@s Pres@s Indepenentistas que se celebrou o passado 24 de Julho em Compostela. Também publicarom umha reportagem fotográfica que se pode consultar no seguinte enlace.

Desde Ceivar, um ano mais, agradecer o trabalho de contra-informaçom audiovisual que leva a cabo este coletivo.

 

dorisbenegasA feminista e comuneira castellana finou ontem depois de deixar semente bastante nos 64 anos que tinha. Solidária com as luitas populares e das naçons sometidas polo Estado Espanhol, tem sido um exemplo do internacionalismo do povo castellano, referente dumha Castela popular e antiimperialista. Também deu a mao à luita pola liberdade na Galiza e como avogada levou a defesa jurídica de vários militantes do Exército Guerrilheiro do Povo Galego Ceive em finais dos 80. Também representava a familia de Xose Humberto Baena, comunista fusilado em 1975, na Querela que se instrúe na Argentina sobre crimes do Franquismo. Incansável no apoio a causas sociais e na luita das mulheres, defendeu, nas ruas e nos tribunais mulheres vítimas de agressons machistas e acusadas de abortar. Florescem mais que nunca as papoilas e o trigo hoje no Valladolid comuneiro. Doris Vive!

 
Mais artigos...
Teimudamente Alçadas!
teimudamente_alzadas
Manual de Segurança para Ativistas
manual_segurana_2015
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Endereços d@s Pres@s

raul_web

maria2014_web

edu_web

teto_web

antom2014_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

banner_numero_conta_2014