110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube

O vindeiro 17 de Janeiro Diego Lores enfrenta um juízo em que lhe pedem 3 anos e meio de prisom e umha responsabilidade civil de mais de 30.000 euros. A acusaçom particular é a polícia local de Vigo. E nom há acusaçom pública, já que a fiscalia rejeitou já por duas vezes fazer parte do processo contra o ativista. Os polícias locais acusam a Lores de umha suposta agressom contra um agente durante os protestos que acontecerom há dous anos em Vigo, contra o projeto de instalar um barco numha rotunda. Um gasto, que o movimento social sostem muito mais necessário para destinar a questons sociais. “Esta actuaçom nom só é paradigma do pailanismo urbanístico que se está a estender pola geografia viguesa, mas é -e assim foi percibida pola vizinhança- um insulto, umha provocaçom em toda regra. Nom há quartos para pagar as ajudas de emergência, alugueiros ou recibos da luz da cidadania empobrecida, mas sim para instalar um barco numha rotunda.”, explicam no manifesto que impulsou a Asembleia Aberta de Coia, e defendem “Sentímo-nos mui orgulhosos de Diego, umha mais de tantas pessoas que dia a dia nos demonstram como nom sai de graça saír do rabanho. A denúncia das injustiças de este sistema, a contestaçom social, a protesta, som perseguidas e criminalizadas, a pessar de que o nosso ordenamento jurídico diga o contrário. E Diego sempre foi umha das caras mais visíveis da luita da rotunda de Coia, polo que achamos que o seu processamento nom é casual. Pretendem que pague por toda a vecinhança, para que fique claro que sucede com as vozes disonantes.”

O manifesto está disponível para assinar online e conta já com o apoio de um grupo de pessoas conhecidas.

 

Diego Lores absolviçom!

 

 

No dia 5 de Dezembro de há cinco anos, ingressavam em prisom Maria, Antom, Teto e Eduardo, depois de passarem tres dias os dous primeiros, e cinco dias os dous últimos, em dependências da polícia nacional em Madrid. Foram detidas numha operaçom contra o independentismo galego, junto com outras duas pessoas que depois ficaram em liberdade.

Durante estes cinco anos estiverom em distintas prisons, e agora encontram-se Maria e Antom em Mansilla de las Mulas (León), coincidindo na mesma cadeia desde Maio de este ano. Eduardo em Ocaña (Toledo), classificado em primeiro grao e cumplindo no módulo de isolamento. E Teto em Villanubla (Valladolid), no módulo de isolamento, no qual está completamente só desde meiados do mês de Outubro.

Queremos lembrar-vos hoje, como sempre, é umha boa escusa para enviar umhas postal ou umha carta e achegar apoio, afecto e força.

Cinco anos sem elas, cinco anos com elas!

A nossa solidariedade é imparável!

 

festivaldaliberdadedakidarriaO Festival da Liberdade, organizado de forma militante e onde a solidariedade é a protagonista é albo da perseguiçom política.

Tres dias em Cangas onde a festa se mistura com a reivindicaçom; para além dos concertos, há charlas e outras atividades como o concurso Suso Vaamonde destinadas a afortalar o tecido social. Onde há grupos de “manada feminista” permanentes atendendo que nom aconteçam agressons machistas. Onde se ondeam bandeiras galegas e se berra, também, pola liberdade das presas independentistas.

No passado Outubro (os dias 13, 14 e 15) celebrou a sua segunda ediçom, e a pressom do instituto armado estivo presente com controis intensos. Mas agora ainda continua, amparando-se e rebuscando em questons de normativas técnicas. A denúncia baseia-se na Lei 9/2013 de Emprendemento e da competitividade económica na Galiza, que no seu título terceiro recolhe umha série de normas para a regularizaçom de espectáculos públicos e atividades recreativas. Lei importada para o controlo de festas em macrodiscotecas e que nom se adaptava à realidade galega, polo qual causou tal rechaço nas comisons de festas, verbenas e festivais de todo o Pais, até o ponto de a própria Xunta publicar um comunicado em 2014 onde matizava os requisitos esigidos. Estes requisitos, os quais se lhes imputam às organizadoras do festival som a inexistência dum Plano de Emergência e dum projeto técnico, cousa que a Xunta esclarece que só é necessário para instalaçons desmontáveis e fechadas para aforo superior a 2500 pessoas. Para justificar que o aforo fosse superior o instituto armado fala de miles de pessoas vindas de todo o Estado, mas precisa, por exemplo, que na zona de campismo havia 30 tendas, o qual se faz dificil de compatibilizar. Esta é umha das mentiras ao lado de outras como a de nom ter mais de um acesso, quando estavam sinalizados e visiveis dous, o de saída e o de entrada.

Em qualquer caso, a denúncia vai para além das questons técnicas que argumentam, já que diferentes eventos se tenhem celebrado no mesmo espaço e condiçons nos últimos tempos, mas parece que é este em concreto o que molesta. Todo um sarilho de acusaçons como intuíto único de criminalizar o festival, assim como o centro Social A Tiradoura, do que algumas pessoas também forom encausadas. Desde o festival esclarecem ter solicitado os permisos oportunos, tanto ao concelho de Cangas como à subdelegaçom do Governo.

Nom à criminalizaçom dos movimentos sociais!

A solidariedade é imparável!

 

concentraom_nov2016 Em este mês de Novembro, excepcionalmente, mudamos o dia da concentraçom solidária coincidindo com o jejum reivindicativo das presas indepependentistas para a quinta-feira, já que na sexta coincide o 25 de Novembro, dia contra a violência machista, em que haverá concentraçom e protestas ao longo das cidades e vilas do País, e nas que também participaremos.

De novo, acompanhando o protesto de intramuros, saimos à rua entre as 20h e as 21h da noite para visibilizar as suas reclamaçons elementares. Os pontos que o Coletivo de Presas Independentistas Galegas reclama som: O reconhecimento da sua condiçom de prisioneiras políticas, o fim da política criminal de dispersom penitenciária, o reagrupamento dos membros do coletivo numha mesma prisom em território galego, o cessamento do regime de reclusom nos centros de menores e a melhora geral das condiçons de vida no encerro.

As convocatórias som: QUINTA-FEIRA 24 DE NOVEMBRO

Compostela: 20:30h na praça do Toural

Burela: 20:30h na praça do Concelho

Vigo: 20h no Marco (rua Principe)

Ourense:20:30h na praça do Ferro

Lugo: 20:30h na Praça Maior

 

O sábado 3 deCARTEL_EMILIO_CAO Dezembro, às 12h na praça Maior do Carvalhinho, está convocada umha concentraçom solidária em apoio ao vizinho desta localidade que fora detido em 2014 na mobilizaçom das Marchas da Dignidade em Madrid.

Numha jornada de protestos em que foram detidas 31 pessoas, Emilio foi apanhado violentamente por polícias à paisana enquanto caminhava pola rua após manifestar-se. Passou dous dias em comisaria antes de ser posto em liberdade à espera de juizo.

Agora o Ministerio Fiscal solicita para o moço umha pena de cinco anos e oito meses de prisom.

Defender os nossos direitos nom é delito. Frente à repressom, solidariedade! O 3 de Dezembro, vemo-nos no Carvalhinho!

 

Amanhá, sábado dia 19, no Parc del Clot “Mai Soles davant l'Audiència Nacional”; nunca soas frente a Audiência Nacional é o título da jornada de solidariedade organizada polo Ateneu Zitzània del Clot-Camp de l'Arpa.cartazbarna

Começa de manhá, às 11h, com “como sobreviver à Audiência Nacional e nom desmobilizar-se no intento”, troca de experiências e analises em diferentes contextos de luita. Com encausadas pola Audiência Nacioal de diferentes contextos, e onde também participaremos como organismo antirepressivo para expór o caso do independentismo galego.

Às 14:30 haverá jantar popular e a partir das 16h as actuaçons de Títeres e concerto de flamenco.

 

A solidariedade é a tenrura dos povos!

 
Mais artigos...
Teimudamente Alçadas!
teimudamente_alzadas
Manual de Segurança para Ativistas
manual_segurana_2015
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Endereços d@s Pres@s

raul_web

maria2014_web

edu_web

teto_web

antom2014_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

banner_numero_conta_2014