110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube

banner_seg_inf

0238415001265976103-detalle-do-filme-vilinguismoA causa que se mantinha aberta contra três militantes da Assembleia da Mocidade Independentista (AMI) pola criaçom dos vídeos “Vilingüismo” fôrom arquivadas definitivamente durante estes dias.

No ano 2008 a AMI lançou o audiovisual “Vilingüismo” no que denunciava à por entom incipiente, associaçom galegófoba Galicia Bilingüe. A raíz da difusom deste trabalho, Galicia Bilingüe apresentava umha denúncia na Comisaria de Vigo ao entender que o documentário incitava a agressons contra os membros da associaçom galegófoba.

O Julgado de Instruçom da cidade olívica tramitou o caso e inicialmente imputou a três militantes da AMI tomando-lhes declaraçom. Posteriormente e após várias diligéncias provatórias, o Julgado decidiu sobresser e arquivar a causa mas Galicia Bilingüe elevou o caso ante a Audiência Provincial de Ponte-Vedra.

Finalmente, a Seçom 5ª Audiência de Ponte-Vedra mediante o auto 2310/14 rechaçou o recurso de apelaçom feito por Galicia Bilingüe e da por sobreseido e fechado o caso.

 

novoComo cada trinta dias esta sexta fim de mês a solidariedade voltará sair às ruas do País. Nove som as convocatórias espalhadas pola Galiza para fazer público o nosso respaldo ao jejúm feito pola/os  presa/os independentistas galega/os assim como às suas reivindicaçons:

1- Reconhecimento da sua condiçom de prisioneiras e prisioneiros políticos.
2- Fim da política de dispersom penitenciária.
3- Reagrupamento dos membros do coletivo numha prisom em território galego.
4- Cessamento do regime de reclusom nos centros de menores.
5- Melhora geral das condiçons de vida nas prisóns

Durante a jornada também lembraremos especialmente ao preso independentista Raúl Agulheiro que desde o dia 3 de Outubro permanece em maos da repressom espanhola e quem nunca deixou de monstrar a sua solidariedade com as/os independentistas presas/os. Seguimos o seu ejemplo solidário!

DIA 31 DE OUTUBRO

RIBADEO: Praça do Campo às 21:00
FERROL: Praça Amada Garcia às 21:00
PONTE VEDRA: Praça da Peregrina às 20:00
COMPOSTELA: Praça da Galiza às 20:30
CORUNHA: Cantóm Obelisco ás 20:30
LUGO: Praça Maior às 20:30
OURENSE: Praça do Ferro às 20:30
VIGO:  Marco (Rua Príncipe) às 20:00
NOIA: Praça da Constituçom 20:30h
 

ndiceA continuaçom publicamos o comunicado íntegro emitido polo Centro Social "A Gentalha do Pichel" de Compostela:

Estimada associada, estimado associado

Escrevemos-che porque queremos compartilhar contigo algumhas reflexons logo da recente, e involuntária apariçom nos meios da nossa associaçom. Nom é a primeira vez, mas nom por isso deixaremos de denunciar estas camanhas de descrédito. Sentimo-nos acosadas e queremos convidar-vos a repassar juntas agúns acontecimentos.

Foi lá polo ano 2005 quando um dos colectivos que acolhe o centro social da nossa associaçom foi registado pola polícia espanhola no marco da Operaçom “Castinheiras”, provocando danos materiais e, sobre todo, um grande dano ao trabalho que a Gentalha fazia no bairro desde a sua fundaçom um ano antes. Nom era difícil imaginar os comentários de umha parte da vizinhança. Que farám nesse local?


Aquela operaçom ficou arquivada, e nem a Gentalha nem nengum nem nengumha das suas ativistas fôrom acusadas de nada, mas o dano ficava feito, com a colaboraçom inestimável dos meios de comunicaçom do sistema.
Na altura emitimos um comunicado assinado conjuntamente com outras associaçons e coletivos utentes do nosso centro social, onde afirmávamos que a Gentalha é "un coletivo de caráter cultural que trabalha pola defesa da língua, pola recuperaçom da memória histórica e polo conhecimento e respeito do meio natural e que exerce umha evidente funçom de caráter social no nosso bairro apoiada num capital de máis de 100 sócios e sócias".Denunciávamos os danos provocados no Pichel pola acçom policial e advirtíamos contra "a criminalizaçom e satanizaçom de todo tecido associativo.

Mas nom achantamos e continuamos no nosso caminho de criarmos um espaço galego sem complexos, reintegracionista, com umha clara vontade de interaçom com o bairro e a cidade. Colaborando com a associaçom vizinal e ajudando a organizar as festas do bairro, que levávam anos sem se celebrar, pugémos o nosso grao de areia para vivermos num bairro mais nosso, das vizinhas e vizinhos, e no caminho lográmos que as possíveis dúvidas que tivessem connosco se fossem diluindo. As mentiras tenhem as patas curtas, mesmo quando contam com os altofalantes do Correo Gallego e La Voz.


Ah, mas se todo ficasse aí... Quatro anos depois, um intrépido defraudador de Fazenda e prevaricador, além de outras cousas, tentava ocultar a sua corruta gestom no Concelho de Compostela acusando a nossa associaçom, entre outros coletivos, de sermos responsáveis de querer “convertir Compostela en la zona vieja de San Sebastián” e de "plantar en santa clara el huevo de la serpiente". De novo os meios de comunicaçom (neste caso Onda Cero) dêrom voz ao personagem, sem nem sequer pôr-se em contato com a nossa associaçom para que desse a sua visom, como qualquer código jornalístico que se prezar recolhe. A vontade de Conde Roa, que assim se chama o delinquente comum, era fechar o nosso centro social, e teria-o conseguido se nom for porque associadas e amigas da nossa associaçom por todo a Galiza, se mobilizárom para conseguir os 10.000 euros que nos permitiam regularizar a licenza do local. Mui emocionante foi receber tantas mostras de afeto, mas especialmente as das vizinhas e vizinhos que se achegárom a nos apoiar.


Levávamos 5 anos de trabalho nas ruas, roteiros, conferências, música ao vivo, ediçons, dança. Cinco anos depois, com Conde Roa evacuado do Concelho, continuamos a fazer o mesmo.
Próxima estaçom, maio de 2014. Um colectivo antirepressivo solicita a sala de actos do Pichel para dar umha roda  de imprensa.A militante independentista Maria Osório é declarada em busqueda e captura.O conselho geral da Gentalha do Pichel conheçe através dos meios o sentido aparente do acto,finalmente a militante da explicaçons via conferência online, o acto transcorre sem presenza policial no interior do centro social, mas a legitimidade do mesmo nom impede um novo circo policial e medático, e mais uma vez, a rua onde se ubica O Pichel fica em "estado de excepçom". Registro de carros, identificaçons, nem a vizinhança puido fazer a compra!.

E os meios começarom a sua coreografia: imagens do local, confussons malintencionadas... Todo novamente encaminhado a vincular o nosso Centro Social com um lugar do que desconfiar.
http://www.abc.es/local-galicia/20140607/abci-maria-osorio-acto-santiago-201406071054.html

http://www.lavozdegalicia.es/noticia/galicia/2014/06/07/barrio-santiago-blindado-comparecencia-publico-integrante-resistencia-galega/00031402136708602788921.htm

E chegamos a isso do que queriamos falar-vos, da recente detençom dum vizinho da nossa rua por suposta pertença a banda armada e tença de explosivos.Como outras vezes que nos temos manifestado em casos que nos resultam próximos, pedimos polo estrito respeito dos direitos desta pessoa, e as máximas garantías democráticas. Fazemo-lo porque sabemos de casos onde nom se respeitam, e porque a legislaçom espanhola é especialmente deficitária neste sentido. E estamos contra o linchamento mediático, que nós própias experimentamos em muitas ocasions.
Recentemente, jornais mui diversos informávam do registo da Gentalha pola polícia, paralelamente à detençom. Queremos negá-lo. Com a impunidade de quem se sabe poderoso, esses jornais tirárom de imagens do nosso centro social para ilustrar a nova da detençom. Isso, os que menos; os que mais, afirmárom que tal registo se producira. A intençom, ao nosso ver, mais que clara, é tentar espalhar a dúvida entre as pessoas que conhecem a Gentalha de ouvidas, ou de entrar às vezes; das assistentes aos nossos cursos, de vizinhas e vizinhos mais umha vez (lembrades o do “huevo de la serpiente”?). Mas nom o vam conseguir. Nom, porque nom nos falha o combustível, a nossa vontade de continuar a construir espaços onde normalizar a nossa língua e cultura, onde viví-las plenamente, onde reivindicá-las.


Convidamosvos a ler algúns exemplos dests práticas de manipulaçom informativa:
http://www.lavozdegalicia.es/noticia/santiago/2014/10/03/detenido-santiago-presunto-miembro-resistencia-galega/00031412352258436164127.htm

http://www.elcorreogallego.es/galicia/ecg/guardia-civil-acusa-detenido-santiago-ser-autor-atentado-baralla/idEdicion-2014-10-03/idNoticia-893739/

Que decidimos fazer? Enviar umha carta de protesto aos meios, escrever este comunicado para associadas e estudar a via penal para denunciar as difamaçons.
A sorte de levarmos mais de dez anos de activismo cultural é que podemos dar-nos o luxo de copiar comunicados sem que ninguém se dêconta. Assim, queremos transmitir-vos que “a Gentalha é un coletivo de caráter cultural que trabalha pola defesa da língua, pola recuperaçomda memória histórica e polo conhecimento e respeito do meio natural e que exerce umha evidente funçom de caráter social no nosso bairro apoiada num capital de máis de 300 sócios e sócias". E cotinuamos a denunciar "a criminalizaçom e satanizaçom de todo tecido associativo".


Como sempre, encontraremo-nos na rua, e no Pichel.

 

BegonhaComunicam-nos hoje a notícia dorosa do falecimento de Begonha Caamanho. Desde o Organismo Popular Anti-repressivo  CEIVAR queremos render umha singela homenagem de reconhecimento a quem sempre foi umha mao amiga para a solidariedade com os presos e presas independentistas galegas e umha das poucas pessoas que, apesar de terem projeçom pública neste País, se negou a quadrar-se ante o discurso politicamente correto.

Begonha sempre será recordada como escritora, feminista, ativista, amiga, irmá... mas também como umha pessoa dumha valentia própria de quem possue umha qualidade humana tam elevada.

Até sempre, companheira Begonha!

 
2012021413245021392Há umhas horas fazia-se público que o Subdelegado del Gobierno, Samuel Juárez, abandonava o seu cargo para incorporar-se à Embajada Española em Pekín. A partir de agora o ámbito de Suárez passará a estar relacionado com a diplomácia e a agricultura.

Suárez ocupou-se da Delegación del Gobierno desde o ano 2012 e desde esse momento a repressom na Galiza incrementou-se consideravelmente. Nas ruas as mobilizaçons fôrom reprimidas de jeito constante e com brutalidade mas também Juárez exigiu aos partidos políticos que se posicionaram con condenas firmes contra Resistência Galega.

Nos vindeiros Consejosde Ministros será nomeado o novo sucesor de Samuel Juárez.
 

1510776_1566142863605200_7743363043267783999_nDurante esta fim de semana o Coletivo Chimarrão mais Xebra! Associaçom organizam em conjunto várias atividades agrupadas nas Jornadas anti-repressivas “Resistência e Luita”.

Estas duas organizaçons, sempre solidárias no ámbito anti-repressivo e especialmente com as/os presas/os independentistas galegas/os,  convocam para o dia 24 (sexta feira) no Centro Cívico Carança (FERROL) umha palestra na que se aportará a visom da repressom sindical, o ativismo de rua e os aspeitos jurídicos. Na mesma intervirá o membro do Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR, Anjo Quiroga, que profundará sobre a Lei Mordaça. Ao dia seguinte, sábado dia 25, a atividade desloca-se até Burela onde haverá a partir das 21:00h umha ceia vegana e posteriormente um concerto.

Nas duas ocasions poderedes atopar à venda material do Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR e desde cá animamos a todas/os as/os solidárias/os a acudir às jornadas nas que se combina a didáctica com o lazer.

*Pinchade na imagem para ver o cartaz ampliado.

 
Mais artigos...
Colaboraçom Económica
colab_economica_2014
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Defender a lingua nom é delito!

CARTAZ_JUIZOS_LINGUA

Endereços d@s Pres@s

raul_web

maria2014_web

carlos_web_2

edu_web

teto_web

antom2014_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

imagem_web_autodefesa

numero_conta_ceivar